O “Duplo C” característico