Drive de Cartier

Confira a coleção de relógios Drive criados pela Cartier para o Salon International de la Haute Horlogerie (SIHH).
Price Filters
  • Preço

COLABORAÇÃO

O UNIVERSO SOFISTICADO DE UM RELÓGIO PARA APAIXONADOS


Considerado o melhor armador de sua geração, o jogador de basquete americano Chris Paul (conhecido como “CP3”) participou de nove All-Star games, foi sete vezes membro de uma equipe All-NBA e ganhou duas medalhas de ouro olímpicas, entre tantas outras conquistas de prestígio.

Uma ilustre carreira esportiva que representa apenas uma parte de sua história.


É difícil encontrar alguém que não aprecie os frutos do trabalho de Dominique Ansel.

Vencedor do Prêmio James Beard 2014 de melhor chef pâtissier e criador do famoso Cronut que encantou os paladares do mundo todo, o chef Ansel coleciona iniciativas de sucesso.


Após anos de experiência no cinema, Chang Chen desenvolveu uma personalidade livre e independente, sem perder seu caráter cauteloso e sensato.

Frente a adversidades ou a alegrias, sua motivação vem do coração: alcançar um nível de excelência em sua arte, como demonstra essa nova colaboração sobre o Drive de Cartier, um sucesso inevitável.

170 anos de estilo e elegância

A Cartier sempre criou objetos excepcionais

 

 

Encomendado à Cartier Londres por Winston Churchill para seu filho Randolph em 1932, este estojo para cigarros em ouro 9K em forma de envelope contém o endereço do jovem, que o pai considerava muito distraído.

Uma brincadeira típica do futuro primeiro-ministro britânico e um belo agrado que não impediu Randolph de oferecer o objeto ao Rei Faruk do Egito, cativado pelo charme da peça.

 

Realizado pela Cartier Nova York por volta de 1933, este relógio em esmalte preto e ouro 14K é também um clipe para dinheiro.

Um objeto ao mesmo tempo chique e singular, que permite consultar a hora e suas finanças em uma só olhada.

Outra qualidade: sua engenhosidade. De fato, uma vez colocado no bolso de seu proprietário, o relógio gira a fim de proteger o seu mostrador.

 

Este relógio-fivela de cinto em ouro 14K foi imaginado pela Cartier Nova York em meados do século XX.

Chamado também de “relógio de golfista”.

Usado longe do pulso, o objeto podia acompanhar seu proprietário pelos gramados sem que o seu movimento fosse afetado pelo impacto das tacadas.

 

Posso dormir com o relógio?

É melhor evitar.

Sobretudo se você tiver um sono agitado. Um movimento errado é suficiente para que o mostrador bata na parede, no criado-mudo ou no rosto do(a) parceiro(a).

Além disso, a pulseira pode ser danificada por atritos ou eventuais excessos de transpiração noturna.

Para não danificar o seu relógio ou machucar seu(a) parceiro(a), lembre-se de tirá-lo na hora de deitar, colocando-o, se possível, em uma caixa que o proteja em uma eventual queda.

 

Como devo usar meu relógio no pulso: folgado ou justo?

Não há uma regra específica. Tudo é uma questão de gosto e de conforto.

No entanto, recomendamos não deixar a pulseira folgada demais, para evitar que o relógio gire no pulso e sofra impactos acidentais.

De modo geral, o espaço entre a pulseira e o pulso deve ter a espessura de um dedo.

 

Onde deve ser colocado o relógio?

De preferência no pulso, claro. Mas em que ambiente?

No quarto. Sobre a cama.

 

Por quê?

Porque a maior parte das quedas ocorre pela manhã, quando se põe o relógio no pulso, e uma queda de um metro sobre um piso de cerâmica ou de madeira é geralmente fatal para o relógio.